Notícias



Professor estuda histórico de pobreza no Estado de São Paulo

Professor analisa mudanças nas dinâmicas sociodemográfica, espacial e migratória da população pobre de 1991 a 2015
Visualize fotos

Nem todos os pobres são iguais – a afirmação, que parece senso comum, ficou demonstrada em tese de doutorado analisando as mudanças nas dinâmicas sociodemográfica, espacial e migratória da população pobre no Estado de São Paulo entre 1991 e 2015. A pesquisa do demógrafo Pier Francesco De Maria aponta que os níveis de pobreza caíram substancialmente no período analisado – o que coincide com o observado na literatura nacional –, mas que isso não implicou em redução da desigualdade entre os pobres, especialmente entre aqueles em situação de extrema pobreza. Mais: que programas de transferência de renda como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (voltado ao idoso e à pessoa com deficiência), por mais exitosos e importantes que tenham sido e continuem sendo, não necessariamente identificaram ou alcançaram os mais pobres dentre os pobres.

A renda é um índice unidimensional importante para avaliar a pobreza, mas insuficiente. Por isso, temos avançado na análise do que chamamos de pobreza multidimensional, envolvendo outros aspectos como qualidade da moradia, acesso a serviços, nível de escolaridade para concorrer no mercado de trabalho, o fato de estar trabalhando e assim por diante”, explica Pier De Maria, que teve a orientação da professora Rosana Baeninger, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). “Na tese, procuramos estudar quanto os pobres são diferentes entre si – e também dos não pobres –, recorrendo a uma divisão em quatro grupos: os não-pobres, os vulneráveis à pobreza, os pobres e os extremamente-pobres.”

O autor da tese afirma que a combinação de metodologias e indicadores, a partir do Censo Demográfico (1991, 2000 e 2010) e da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios anual, 1992 a 2015), permitiu observar a trajetória da pobreza no Estado e a sua evolução socioespacial. “Como índice unidimensional seguimos o critério usual no Brasil, que atribui até meio salário mínimo de renda para o pobre e de um quarto do salário para o extremamente-pobre; os vulneráveis à pobreza são aqueles que ganham de meio a dois salários (em torno de 1.800 reais, valor este obtido considerando que a cesta básica é só uma porção da renda necessária) e, acima disso, estão os não-pobres. Como índices multidimensionais, adotamos duas metodologias distintas, uma nacional e outra internacional, cujos resultados, numa escala que vai de zero a 1 (quanto mais próximo de 1, pior a condição do indivíduo), foram estratificados conforme sugerido na literatura.”

Segundo De Maria, a análise dos índices uni e multimensionais confirmou uma esperada redução do número de pobres no Estado de São Paulo, não só em termos absolutos como relativos. “Isso é fato. Ocorre que esta redução não veio acompanhada de uma redução das desigualdades entre os pobres, especialmente entre os de extrema pobreza. A composição da população pobre é cada vez mais heterogênea, não podemos dizer que os pobres são todos iguais: os que eram pobres ascendem para o grupo de não pobres e os extremamente-pobres para o de pobres – é uma troca de patamar, que chamamos de mobilidade ascendente. Mas há um grupo entre os mais pobres que não consegue dar esse salto e fica para trás – isto é, dentro desse grupo, há os que se encontram nos limiares da pobreza e um contingente maior estacionado mais distante, na borda.”

 

 




Publicado em: 25 de julho de 2018

Publicado por: Universidade de Campinas (Unicamp)

Cadastre-se e receba notícias em seu email

Categoria: Notícias da Câmara

Fique por dentro

Outras Notícias

IFSP inscreve para 500 vagas em Curso de Licenciatura em Pedagogia (EaD)

09 de agosto de 2018

Estarão abertas no período de 09 a 31 de agosto de 2018 as inscrições do Processo Seletivo para ingresso no Curso de Licenciatura em Pedagogia — EPT, na modalidade a distância. Ao todo estão sendo...

Leia Mais

Funcionários da Câmara de Itapetininga participam da 16ª Semana Jurídica do TCESP

06 de agosto de 2018

Nesta semana parte dos funcionários da Câmara Municipal de Itapetininga irão participar da 16ª Semana Jurídica do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP). Com o temas a Instituições e o f...

Leia Mais

Primeiro encontro municipal da juventude acontece dia 15

06 de agosto de 2018

No próximo dia 15 de agosto, ocorre no plenário Humberto Pellegrini, na Câmara de Itapetininga, o 1º Encontro Municipal da Juventude. O evento tem como objetivo dialogar sobre políticas públicas em...

Leia Mais

Câmara aprova 50 Projeto de Lei no Primeiro Semestre

06 de agosto de 2018

No primeiro semestre de 2018 tramitou na Câmara Municipal de Itapetininga 73 Projetos de Leis. Desde total, 50 foram aprovados, 17 ainda tramitam no Legislativo e outros 3 foram retirados da paut...

Leia Mais